Vamos parar de ser enganados na internet?

Você já deve ter pego um vírus em seu PC, smartphone ou qualquer dispositivo eletrônico com acesso à internet. E vamos combinar que o vírus não entra sem ser convidado, certo? É bem verdade que, em se tratando de tecnologia, as chances de ser enganado ganham proporções estratosféricas. Pois é justamente por isso que devemos tomar ainda mais cuidado.

A comunidade da internet é, essencialmente, compartilhadora de dados. Se você não pode pagar por um programa de edição de imagens famoso e mais equipado, a internet oferece dezenas de possibilidades de você instalar este mesmo programa em seu PC, de graça. Está certo? Óbvio que não! É justo que a empresa dona do software cobre o que cobra por ele? Óbvio que sim! Então como fica o consumidor? Ele compra se pode ou encontra uma alternativa entre programas semelhantes e gratuitos. Ponto!

Esta questão em específico ainda ficou mais palpável nos últimos anos. Empresas como Microsoft e Adobe já oferecem pacotes mensais para uso de seus programas (Office e Photoshop). Eu, por exemplo, comprei a licença do Office por 1 ano numa promoção de R$ 54,00 ORIGINAL, com caixa e tudo mais. De forma semelhante, pago mensalmente – pode ser anual – um valor inferior a R$ 50,00 para utilizar dois programas de meu interesse (Photoshop e Lightroom). Todos estes recebem atualizações constantes, suporte se for necessário e, de quebra, me sinto muito bem comigo mesmo.

Ps: Para meu caso, fiz uma análise de quão úteis estes softwares me são no dia a dia. O resultado é um: MUITO.

Eu confesso que por muito tempo só o que eu fazia em casa era baixar filmes, séries e jogos. Hoje compreendo a indústria e suas demandas, faço uso de plataformas que me dão alternativas, como o Netflix. Os jogos utilizo o Origin (sempre tenho jogos gratuitos, neste mês (jan/2017) o “Por conta da Casa“, é Mass Effect 2,  ou uPlay, Ownando, Nuveen… Sempre um jogo em promoção, na semana do natal o BF4 estava por apenas R$5,67. Sendo que o preço normal dele é R$ 69,90.  Portanto, não tenho a menor necessidade de procurar os filmes ou jogos do momento.

Problema dos tempos atuais?

Sem dúvidas não é de hoje que as pessoas “trocam os pés pelas mãos” e levam um tremendo tombo na vida. Quem nunca ouviu falar do famoso “Conto do bilhete premiado” – quando um meliante aborda uma pessoa e afirma ter ganho na loteria, mas por ter pendências no banco não quer resgatar a grana para não ter a dívida descontada da premiação? A vítima se sensibiliza com o caso. Então o meliante pede um valor bem abaixo do prêmio para trocar pelo bilhete ‘premiado’. Que oportunidade é essa, senhores? Pode parecer loucura, mas as pessoas caem neste conto até hoje! ATÉ HOJE!!!  

De volta ao assunto principal. Que maravilhoso você presentear seus pais, avós e pessoas de idade com um smartphone, não é mesmo? Ajude-o a instalar o Whatsapp e vocês podem conversar a qualquer hora do dia, seja por texto, áudio ou vídeo. E quem sabe ele não encontra os ex-colegas do trabalho em um grupo animado, hein? Ninguém tem culpa por eles terem vivido em um tempo sem esta tecnologia, ou melhor, sem tanto lixo sendo divulgado à exaustão via internet. Citei acima pessoas de idade, mas a verdade é que TODOS NÓS somos ludibriados diariamente por notícias, artigos, mensagens de Whatsapp, promoções, prêmios de algo que nunca concorremos, filhos de ex-presidente e por aí vai…

Até quando vamos receber uma informação e tomá-la como verdadeira sem nem sequer questionar a veracidade?Até quando o Whatsapp quer que eu pague para baixar uma versão ‘beta’ sendo que o app é inteiramente gratuito? Jogos pagos oferecidos ~gratuitamente~? Chega!

 Quer umas dicas bem pessoais sobre como proceder para tentar evitar isso tudo?

Sobre Apps:

  • Aplicativos são atualizados automaticamente pela desenvolvedora. Não é necessário clicar em links externos;
  • Procure por apps apenas na sua loja de aplicativos;
  • Tenha um antivírus em seu celular;
  • Recursos extras em apps não são prioridade para você. Não precisa saber quem adicionou seu número;
  • Analise a tela do app quando este estiver aberto e procure propagandas nas extremidades, elas podem te levar para links externos;
  • Aliás, desinstale já o aplicativo que te força a clicar em banners, eles estão mal-intencionados;
  • Se o app oferece uma versão paga (na loja de aplicativos), opte pela versão paga sem propagandas. Dessa forma você ajuda ao desenvolvedor honesto;
  • Antes de baixar qualquer coisa, pesquise na internet sobre o app. Se possível tente descobrir a desenvolvedora.

No Whatsapp

(O que deveria ser um meio de comunicação, se tornou um propagador de informação inútil e muitas vezes mentirosa. É como se você estivesse em meio a um tiroteio, em que não se sabe qual das balas é de amigo e qual é de inimigo)

  • Quando receber uma notícia, verifique o link, a fonte, a veracidade das informações;
  • Só depois disso você pode, ou não, compartilhar;
  • Ignore mensagens com “vamos compartilhar para o máximo de pessoas possível”;
  • Desaparecimentos de crianças com áudio e tudo. Pesquise sobre a veracidade da informação;
  • Crie um filtro mental para informações irrelevantes.

Tenho convicção que esta coluna não vai quebrar paradigmas e resolver o problema. Esta é minha opinião e casos semelhantes têm ocorrido constantemente com pessoas próximas a mim. Eu só quero que elas e você não passem por isso. Só isso.

 

 

Posted in Facebook and Facebook Messenger and Noticias and Redes Sociais and Segurança Digital and Social Media e Messenger and Twitter and Web and Whatsapp by Gabriel on Janeiro 10th, 2017 at 17:28.

Add a comment

No Replies

Feel free to leave a reply using the form below!


Leave a Reply